Quinta-feira, 7 de Junho de 2007

UM HOMEM SENTADO

UM HOMEM SENTADO
 
   DIA 7 DE JANEIRO DE 1982. «ERA UMA QUINTA-FEIRA.»
CARLOS FRAZÃO VAI ALMOÇAR A CASA, EM CORVACHIA, LEIRIA, COMO SEMPRE. VAI DEPRESSA, COMO TODOS OS DIAS; VOA, NA INSCONSCIÊNCIA DOS 18 ANOS, NA ARROGANTE  IMORTALIDADE DOS 18 ANOS. OUVE O ROSNAR DA MOTA, O VENTO SOPRA-LHE FORTE NOS CABELOS. E O FRIO. UM FRIO QUE CORTA AS MÃOS E ENTORPECE OS MÚSCULOS DA CARA. MAS O PISO ESTÁ HÚMIDO, ESCORREGADIO, E CARLOS SENTE AMOTA A ESCORREGAR, A DESOBEDECER, A NÃO FAZER A CURVA. O CORPO TOMBA, EMBATE NUM AUTOMÓVEL, E OS PENSAMENTOS CORREM EM ATROPELO: «AGUENTA-TE! É PRECISO SABER CAIR.» E OS OSSOS DE REPENTE DE PAPEL, AS PERNAS DEBAIXO DO CORPO, UMA CONFUSÃO DE MEMBROS FORA DO SÍTIO, UM CORPO JOGADO NO CHÃO, FEITO MARIONETA SEM DONO.
        CARLOS SOUBE LOGO. TALVEZ NÃO SOUBESSE TUDO, TALVEZ NÃO QUISESSE AINDA SABER TUDO. MAS O PESO MORTO DAS PERNAS, AQUELA IMOBILIDADEPERSISTENTE DOS PÉS, FÊ-LO PENSAR O PIOR. NA AMBULÂNCIA, TENTARAM ANIMÁ-LO, CHAMARAM-NO PELO NOME: «ENTÃO, CARLOS, ISSO É QUE FOI, HEM?» MAS AS PERNAS, AQUELA DESOBEDIÊNCIA DAS PERNAS PREOCUPAVA-O DEMASIADO PARA SE DETER EM CONVERSAS. «NÃO ME DIGAM QUE FICO ALEIJADO?» E OS BOMBEIROS A FUGIREM AO ASSUNTO: «QUAIS QUÊ, ALEIJADO?» OS BOMBEIROS OLHARAM-SE DE SOSLAIO. «NÃO VAMOS PENSAR NO PIOR, CARLOS.» OS BOMBEIROS TAMBÉM A TEMEREM O PIOR, MAS A DIZEREM LIGEIREZASPRÓPRIASPARA ALIGEIRAR: «UMA QUEDA E TANTO, HEM, CARLOS.»
         DO HOSPITAL DE LEIRIA TRANSFERIRAM-NO PARA COIMBRA. ESTEVA EM COMA TRÊS DIAS, E QUANDO ACORDOU, SOUBE QUE O SEU CORPO ERA UMA ESPÉCIE DE PUZZLE POR COMPLETAR: FRACTURA DA COLUNA, VÁRIAS COSTELAS PARTIDAS, PERNA DIREITA COM FRACTURA EXPOSTA, PERNA ESQUERDA PARTIDA, CLAVÍCULA PARTIDA. ASSIM QUE ACORDOU, NUMA OBSTINAÇÃO DE QUEM INTUI, FEZ FORÇA PARA MOVER OR DEDOS PRIMEIRO,OS PÉS DEPOIS, AS PERNAS EM SEGUIDA. CARLOS OLHOU EM REDOR, PROCUROU OS OLHOS DOS MÉDICOS, PROCUROU OS OLHOS DOS ENFERMEIROS, MAS FOI NO OLHAR TURVO DA MÃE QUE ENCONTROU A RESPOSTA. ESTAVA PARAPLÉGICO.
         PASSARAM 25 ANOS. MAS A IMPOSSIBILIDADE DAQUELA CURVA, O CORAÇÃO DESTEMPERADO, AS MÃOS SUBITAMENTE QUENTES E SUADAS, TUDO ISSO CARLOS FRAZÃO SENTE COMO SE TIVESSE ACABADO DE ACONTECER. DIZ QUE NÃO TEVE NEM UM MOMENTO DE DESESPERO. CALA. RECUA. CORRIGE. QUE SIM TEVE. MAS FOI BREVE. DIZIAM-LHE OS MÉDICOS QUE PODERIA PODERIA RECUPERAR. FALAVAM-LHE EM PERCENTAGENS, E, MESMO SEM TER PASSADO DO 5ºANO DE ESCOLARIDADE, CARLOS FRAZÃO SABIA QUE 90% DE HIPÓTESES DE VOLTAR A ANDAR ERAM MUITA ESPERÂNÇA PARA BAIXAR OS BRAÇOS.
         AS HORAS SEGUINTES PASSARAM DEVAGAR. OS DIAS SEGUINTES PASSARAM DEVAGAR. OS MESES QUE SE SEGUIRAM NÃO TIVERAM PRESSA. TREZE MESES FOI O TEMPO QUE VIVEU NO HOSPITAL DE COIMBRA A TENTAR RECONSTRUIR O SEU CORPO FEITO PUZZLE. E DEPOIS DE COIMBRA, MUDOU-SE PARA O HOSPITAL QUE ARREPIA SÓ DE SE ESCUTAR O NOME. ALCOITÃO.
        AOS 18 ANOS, A VIDA DE CARLOS FRAZÃO VIROU-SE DO AVESSO. EM ALCOITÃO ARRASTOU AS PERNAS MORTAS COM A FORÇA DOS BRAÇOS EM BARRAS DE FERRO, FORÇOU O CORPO PARA O OBRIGAR A REAGIR, E TORNOU A FORÇAR, LOTOU CONTRA OSSOS E CONTRA MÚSCULOS E CONTRA CARNE ATÉ DESCOBRIR MELHORAS, ATÉ SENTIR TODOS OS DIAS QUE ERA UM POUCO MAIS AUTÓNOMO, EM NOVE LONGOS MESES DE PEQUENAS-GRANDES CONQUISTAS. FEZ GINÁSTICA, NADOU, JOGOU BASQUETEBOL. ACOSTUMOU-SE À CADEIRA DE RODAS. HABITUOU-SE A OLHAR O MUNDO DE BAIXO PARA CIMA, SEM QUE ISSO LHE CAUSASSE O DANO QUE VIU CAUSAR A OUTROS COMPANHEIROS DE INFORTÚNIO.
       «NUNCA SENTI QUE ERA UM TIPO NUMA CADEIRA DE RODAS, SABE? O QUE NÃO TEM REMÉDIO REMEDIADO ESTÁ», DIZ. «E EU PERCEBI QUE, A PARTIR DO ACIDENTE, IA PASSAR A ANDAR SENTADO. SEMPRE SENTADO. E PRONTO. FOI ISSO QUE PENSEI E É ISSO QUE PENSO. SOU UM HOMEM IGUAL AOS OUTROS. SÓ QUE ESTOU SENTADO.»
        O MOMENTO DO REGRESSO A CASA, SIM, FOI DURO. A CADEIRA A ATOLAR-SE NA LAMA DA ENTRADA, OS DEGRAUS IMPOSSÍVEIS JUNTO Á PORTA, A MISERÁVEL AUSÊNCIA DA CASA DE BANHO. E O PAI, «DEUS O TENHA EM SOSSEGO», SEMPRE A FAZÊ-LO SENTIR A CULPA DE NÃO TER TIDO JUÍZO, DE SER DEMASIADO ALEGRE, DEMASIADO INRRESPONSÁVEL, O PAI QUE SEMPRE VIVERA COM AUSTERIDADE, CASA-TRABALHO, TRABALHO-CASA, O PAI A SUSPIRAR COM O ESTADO DO FILHO, A IMPACIENTAR-SE COM A CADEIRA, COM OS DEGRAUS, COM A LAMA. CARLOS, FILHO DE GENTE HUMILDE, PASSARA 22 MESES EM «HOTÉIS DE LUXO», ENTRE IGUAIS. AGORA, SIM, SENTIA-SE DIFERENTE.
           POR SER TÃO GRITANTE E TÃO OBSCENA A JUNÇÃO ENTRE A MISÉRIA E A DEFICIÊNCIA, HOUVE QUEM SE JUNTASSE PARA AJUDAR. GENTE DA FREGUESIA, AMIGOS, SEGURANÇA SOCIAL, ANÓNIMOS. TODOS DERAM UMA MÃOZINHA, E A CASA QUE DIFERÊNCIAVA CARLOS TORNOU-SE SUA OUTRA VEZ. UMA ENTRADA EM PEDRA, SEM LAMA, UMA RAMPA A DAR PARA A PORTA, UMA CASA DE BANHO CRIADA DE RAIZ PARA QUEM, COMO ELE, É UM HOMEM SENTADO.
           CARLOS PODIA TER FICADO A LAMENTAR-SE. COMOVIDO COM A AJUDA DOS SOLIDÁRIOS, PODIA TER-SE ACOSTUMADO À MÃO ENTENDIDA, PRONTA A RECEBER, SEM FAZER MAIS DO QUE EXIBIR O ÓBVIO, DUAS PERNAS SEM PRÉSTIMO E UMA CADEIRA DE RODAS.
           MAS NÃO. NUNCA. APAIXONADO PELA MECÂNICA RECOMEÇOU DEVAGARINHO. EM CASA PRIMEIRO. A ARRANJAR MOTORES DE REGA E BETONEIRAS. A INVENTAR ENGENHOCAS QUE DAVAM CERTO. ATÉ QUE UM COLEGA O DESAFIOU PARA SAIR DA TOCA: «ANDA VEM TRABALHAR COMIGO.» E ELE, DOIDO PELA VIDA, DOIDO POR QUE A VIDA O CHAMASSE, FOI. PREPAROU CARROS PARA RALIS, JIPES PARA TODO-O-TERRENO. «DEPOIS, PENSEI CHEGAR MAIS LONGE. E COMECEI A TRABALHAR POR MINHA CONTA NA OFICINA DE UM PRIMO.»
           CORRIA O ANO DE 1988, CARLOS LEVANTAVA-SE DE MANHÃ CEDO, ARRANJAVA-SE E IA PARA O TRABALHO. TORNOU-SE BOM. MUITO BOM. ESPECIALIZOU-SE EM ADAPTAR CARROS PARA DEFICIENTES, E SÓ PECAVA POR NÃO COBRAR ÁS VEZES TANTO COMO DEVERIA. TRABALHAVA POR AMOR À CAMISOLA. DE MANHÃ À NOITE. TIROU CURSOS DE FORMAÇÃO, LEU E RELEU LIVROS, SEMPRE NA ÂNSIA DE, COMO DIZ E REPETE, «CHEGAR MAIS LONGE».
           NO ENTRETANTO, OS AMORES. ENDIREITA-SE NA CADEIRA PARA CONFESSAR QUE NUNCA LHE FALTARAM. SORRI E DESVIA O OLHAR, NO EMBARAÇO DA SUA PRÓPRIA VAIDADE, MAS REAFIRMA QUE SIM, SEMPRE TEVE «MUITO CONVÍVIO COM MUITAS MULHERES», E QUE A CADEIRA NUNCA FOI UM ENTRAVE, QUAIS QUÊ, ELE É UM HOMEM IGUAL AOS OUTROS, SÓ QUE SENTADO. DEPOIS, MAIS A SÉRIO, EXPLICA: «APESAR DE SER PARAPLÉGICO, NÃO TENHO UMA LESÃO MEDULAR, TENHO UMA PRESSÃO MEDULAR, O QUE SIGNIFICA QUE CONTROLO OS ESFINCTERES E NÃO TENHO QUALQUER PROBLEMA DE IMPOTÊNCIA, O QUE AJUDA, CLARO! MAS AINDA QUE TIVESSE, ACHO QUE HÁ SEMPRE MANEIRAS DE DAR A VOLTA AO TEXTO, NÃO É? BASTA TER IMAGINAÇÃO… E VONTADE DE VIVER.»
           FOI COM A VONTADE DE VIVER QUE NUNCA PERDEU, NEM MESMO QUANDO, AOS 18 ANOS, A VIDA SE VOLTOU DO AVESSO, QUE CARLOS CONHECEU ISABEL. NO DIA 14 OUTUBRO DE 1997, NO CASAMENTO DA IRMÃ, PERGUNTOU-LHE: «VAMOS BEBER UM COPO OS DOIS QUANDO ISTO ACABAR.» ELA DISSE QUE SIM. MAS NÃO NEGA QUE PENSOU: «XOU! O QUE É QUE ESTE COXO QUER IR FAZER MAIS EU?» A DESCONFIANÇA SOÇOBROU PERANTE A GRAÇA DE CARLOS. «RENDI-ME AO ATREVIMENTO DELE. Á FORMA NATURAL DE ESTAR. COMO QUALQUER OUTRO HOMEM.»RENDERAM-SE UM AO OUTRO. COMPRARAM UM APARTAMENTO PRIMEIRO, UMA MORADIA DEPOIS. VIVEM JUNTOS HÁ DEZ ANOS COM O FILHO DELA, QUE É COMO SE FOSSE DELE, TAL É O QUE SE SENTE UM PELO OUTRO. HOJE, A CASA NEM PARECE A MESMA, COM TANTO QUE CARLOS JÁ LHE ACRESCENTOU. NO PISO TÉRREO, FUNCIONA A SUA OFICINA. CARLOS FRAZÃO É UM DOS TRÊS INSTALADORES DE CARROS PARA DEFICIENTES NO PAÍS CERTIFICADOS PELA LUSOTÉCNICA (CONFECÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA ORTOPEDIIA TÉCNICA). TIROU UM CURSO EM FARO E OUTRO EM BADAJOZ, E NÃO TENCIONA FALHAR OUTROS CURSOS QUE SURJAM DESDE QUE SEJA PARA «CHEGAR MAIS LONGE».
          MAS COMO A VIDA NÃO É SÓ TRABALHO, SEMPRE QUE TEM TEMPO CARLOS DEDICA-SE AOS DESPORTOS MOTORIZADOS. RALIS, KARTS, TODO-O-TERRENO, MOTO-4.
           NO VERÃO DE 2005, O INFERNAL INCÊNDIO QUE CONSUMIU BOA PARTE DO CENTRO DO PAÍS, E LEIRIA EM PARTICULAR, ANDOU A LAMBER-LHE A CASA. E AS CASAS DOS VIZINHOS. CARLOS DESDOBROU-SE, REINVENTOU-SE, NÃO DESCANSOU. ANDOU DIAS NUMA RODA-VIVA, A TRANSPORTAR LEITE E ÁGUA E COMIDA NA SUA MOTO-4 PARA AJUDAR AS POPULAÇÕES E OS BOMBEIROS. NUMA DESSAS VIAGENS, PAROU PARA CONVERSAR COM GRUPO DE AFLITOS QUANDO VIU UM MIÚDO CORRER EM DIRECÇÃO A UMA RUA SEM SAÍDA E DEMASIADO PRÓXIMA DA FRENTE DO FOGO. TEMEU O PIOR. ACELAROU EM DIRECÇÃO À RUA E, AO CHEGAR CONSTACTOU QUE A CRIANÇA JÁ ESTAVA DEITADA NO CHÃO, SEMI-INCONSCIENTE, RODEADA POR LABAREDAS DO TAMANHO DE PRÉDIOS. AGARROU-A, POUSOU-A NA MOTA E ARRANCOU, DESAUVORADO. SEM QUE SE TIVESSE DADO CONTA, UM OUTRO RAPAZ SALTOU TAMBÉM PARA A MOTA, ÚNICA FORMA DE ESCAPAR DALI. CARLOS FRAZÃO TORNOU-SE O HERÓI DA TERRA AO SALVAR DAS CHAMAS DUAS CRIANÇAS. MAS PARA MUITOS ELE JÁ ERA UM HERÓI. POR SE TER SALVO A SI PRÓPRIO QUANDO PODIA, SIMPLESMENTE, TER DESISTIDO.
"CITADO DE: SÓNIA MORAIS SANTOS NAS SELECÇÕES READER´S DIGEST DE MAIO2007"
Publicado por alfredocr às 20:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 5 de Junho de 2007

MEETING CIDADE DE LEIRIA

Meeting Cidade de Leiria
Juventude Vidigalense volta a organizar um grande evento
Depois de uma grande experiência acumulada, em termos de organização de eventos, dos quais se destacam as Jornadas Técnicas, o Torneio de Lançamentos, e o Torneio de Atletismo na Praia, a Juventude Vidigalense vai esta temporada apostar também na organização de uma grande competição de pista, o Meeting Cidade de Leiria, que terá lugar no dia 1 de Junho de 2007.
Aproveitando a excelente pista do Estádio Municipal de Leiria e uma altura importantíssima da temporada, em que se define a selecção Portuguesa para a Taça da Europa a disputar em Itália nos dias 23 e 24 de Junho, levaremos a efeito um conjunto de corridas, saltos e lançamentos que prometem trazer a Leiria alguns dos melhores atletas nacionais.
De destacar que este Meeting integrará também o Campeonato de Portugal de 10000 metros para o sector feminino, competição que além de atribuir o título nacional, dará oportunidade às melhores fundistas nacionais de tentarem uma vez mais a qualificação para o Campeonato do Mundo de Osaka.
Sendo este dia o “Dia Mundial da Criança” não nos quisemos esquecer dos mais jovens, e levaremos a efeito um conjunto de disciplinas para os escalões de Benjamins, Infantis e Iniciados, às quais denominámos “Meeting Jovem”.
Por fim, e numa tentativa de inovar, abrindo a pista a todos os que nunca tiveram oportunidade de pisar o “Tartan”, levaremos a efeito uma prova de 2000 metros, que será disputada sem fins competitivos, em corrida ou caminhada, e que promete encerrar o evento num clima de festa.
Paulo Reis
MEETING CIDADE DE LEIRIA - FILME 1 MEETING CIDADE DE LEIRIA - FILME 2 MEETING CIDADE DE LEIRIA - FILME 3
Publicado por alfredocr às 00:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 3 de Junho de 2007

25º FESTIVAL DE MÚSICA DE LEIRIA

25.º Festival Música em Leiria – 2007
ORGANIZAÇÃO: ORFEÃO DE LEIRIA
 
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade
 
     por Miguel Sobral Cid, Director Artístico
     Independentemente da tendência para se assinalar os múltiplos do século e seus sub-múltiplos - cinquentenários, quartos de século e décadas - ser uma consequência directa do nosso enquadramento no sistema decimal vigente e, por isso, absolutamente artificial, a verdade é que a sua constante recorrência constituiu já uma tradição que dificilmente nos deixa indiferentes.
     Na música, por exemplo, as efemérides de compositores como Mozart, Johann Sebastian Bach ou, mais recentemente, Chostakovitch e Lopes Graça, foram casos em que mesmo o mais distraído ou desinformado cidadão não pôde deixar de ouvir falar, ainda que possa não lhes ter prestado grande atenção.
     Mas se casos há em que as efemérides são exploradas comercialmente até à saturação, e muitas das vezes por mercados que não lhe estão directamente associados -  lembro-me, evidentemente, dos chocolates com o retrato do Mozart, praticamente desconhecidos entre nós antes do bi-centenário da sua morte (1992) -, considero francamente positivo o saldo deste recurso no que respeita à sua contribuição para a difusão em larga escala de repertórios pouco ouvidos ou mesmo desconhecidos da maior parte do público. Neste caso, o marketing das efemérides, porque, afinal, também é disso que se trata, é um expediente benemérito e (quase) altruísta, no seu objectivo de alargar o conhecimento e a experiência do público na Música.
     É nesta espécie de marketing social que enquadraria a referência aos 25 anos de edições consecutivas do Festival «Música em Leiria», que neste ano assinalamos. Uma comemoração mais do que natural, pelo relevo que colocará num projecto que traz à Região e ao seu público, de forma continuada, uma oferta peculiar, musical e não só, de grande qualidade, e que em muito contribuiu e continua a contribuir para o desenvolvimento e consolidação de hábitos culturais em geral, e particularmente na área da música.
     A par da justa comemoração, interessa sobretudo sublinhar o percurso de sucesso do Festival, um dos mais antigos do País e certamente um dos de maior importância. A isso não foram alheios o empenhamento e a boa orientação oferecidos a esta iniciativa pelos directores artísticos que me precederam nas funções que aqui desempenho, Maria Fernanda Cidrais Rodrigues e Carlos de Pontes Leça, dos quais tive o privilégio de receber um valoroso estímulo, quer no quadro profissional quer no plano pessoal, e aos quais deixo aqui a minha singela homenagem.
     O Festival «Música em Leiria» veio adoptando na sua programação soluções que, sempre de forma gradual e atentando à realidade de cada momento, foram introduzindo novas propostas que o conduziram ao presente formato. Apesar da distância temporal a esse primeiro momento que ocorreu há 25 anos, a referência ao passado proposta na presente edição não só é propositada como reflecte um tributo a todos os artistas e colaboradores do Festival que contribuíram para a sua consolidação.
     Neste espírito, duas figuras de grande proeminência destacam-se na presente programação do Música em Leiria. O pianista Sequeira Costa, que logo na segunda edição do Festival, em 1984, lhe associou o seu nome, e a coreógrafa Olga Roriz, que por diversas vezes aqui interveio, quer como coreógrafa quer enquanto bailarina do extinto Ballet Gulbenkian, e que apresentará pela primeira vez em Leiria a sua própria companhia de dança.
     Por outro lado, é conveniente mencionar um outro factor que terá contribuído sobremaneira para o sucesso do Festival, que foi a sua gradual internacionalização. A par dos mais conceituados artistas portugueses, uma enorme plêiade de músicos de renome internacional conheceu a sua actuação em Leiria. Entre eles, e só para referir alguns, encontram-se Jordi Savall e o Hespèrion XXI, Gérard Lesne e o Seminário Musicale, Reinhardt Goebel e o Musica Antiqua de Colónia, Kim Criswell, Andrew Lawrence-King, Ivan Monighetti, Dagobeto Linhares, The King's Consort, The Hilliard Ensemble e I Fagiolini. Neste quadro, também a edição de 2007 mantém este princípio, apresentando uma das mais conceituadas orquestras sinfónicas do leste europeu, a Sinfonia Varsóvia, que acompanhará a igualmente reputada pianista Anna Malikova, e o agrupamento alemão NeoBarok, que se tem evidenciado pelo seu peculiar olhar para a Música Antiga.
     Uma nova perspectiva é também a sugerida nesta edição do Festival pelos Músicos do Tejo (Sementes do Fado), projecto onde se destaca a notável voz de Ana Quintans, numa proposta que pretende explorar as ligações entre a Modinha portuguesa dos séculos XVIII e XIX e o Fado. Espelha-se aqui, aliás, uma outra vertente que se tem evidenciado no Música em Leiria, que procura a diversificação das propostas, no sentido de alargar as perspectivas do público no domínio musical. Nesta mesma linha, cabe igualmente a referência a Renaud Garcia-Fons, eminente contrabaixista cuja arte contagiante tem conquistado os mais diversos públicos, desde os amantes do Jazz aos do Flamenco.
     Para concluir, de sublinhar ainda o prosseguimento da reserva de um espaço de programação dedicado ao público mais jovem, que este ano trará a Leiria uma produção do projecto educativo Descobrir a Música na Gulbenkian (O Piano e seus Amigos), assim como de uma outra orientação programática que tenta dar evidência ao trabalho de jovens músicos de particular talento em início de carreira. Neste último caso, de destacar as apresentações do violinista Pedro Meireles, que será solista no concerto com a Orquestra Filarmonia das Beiras e a Orquestra de Sopros do Orfeão de Leiria, do Trio Mediterrain, do guitarrista Dejan Ivanovic e do Coro e Orquestra  Universidade de Malmö (Suécia).
     Mais informações, clique aqui sobre as seguintes rubricas:
     Programação
 
Publicado por alfredocr às 23:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

TEMAS

Pimpumplay lança petição ...

JOEL XAVIER NO TEATRO MIG...

Coro de Câmara do Orfeão ...

LEIRIA EVENTOS

POESIA ERÓTICA E SATÍRICA...

TE-ATO (Grupo-Teatro de L...

Semana da Leitura 2011 - ...

TERCEIRA INVASÃO FRANCESA...

TE-ATO (Grupo-Teatro de L...

LEIRIA - TEATRO MIGUEL FR...

ARQUIVOS

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

"ix feira do livro de leiria"

"xix desfile etnográfico"

bairro dos anjos

centenário da república

eventos

eventos notícias leiria

leiria

leiria diario leiria

leiria eventos

leiria eventos 26 janeiro 2008

leiria eventos03/12/08

leiria eventos05/10/08

leiria galerias

leiria gastronomia

leiria notícias

leiria noticias

leiria praça viva

madeleine macann

notícias

setembro2009

todas as tags

LINKS

blogs SAPO

subscrever feeds